Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Translate this Page
ONLINE
1


 

 




Vida em outro planeta.
Vida em outro planeta.

Simulação por computador indica que pode haver vida em vários outros planetas Cientistas criam modelo que põe em xeque teoria da 'zona habitável', que procurava água líquida apenas nas superfícies dos planetas; pesquisadores escoceses miram reservatórios subterrâneos.

Cientistas escoceses desenvolveram um simulador para identificar planetas onde há condições para a existência de vida. O sistema poderá indicar a existência de diversos planetas habitáveis em sistemas solares distantes.

Até o presente estudo da Universidade de Aberdeen, as estimativas sobre o número de planetas habitáveis eram baseadas na probabilidade de que houvesse água na superfície desses lugares. O simulador, baseado em um modelo científico, permite, no entanto, que os pesquisadores identifiquem planetas com água subterrânea mantida em forma líquida, por calor gerado pelo próprio planeta.

O estudo foi apresentado durante o British Science Festival, em Aberdeen. Entre astrônomos, a teoria era a de que, para possuir água em forma líquida (estado que favorece a formação de vida), o planeta tinha de estar a uma certa distância de seu sol -- na chamada zona habitável. Isso porque planetas muito próximos de seu sol perdem a água de sua superfície por meio da evaporação.

Já a água presente na superfície de planetas que orbitam regiões mais distantes de seus sóis -- e portanto mais frias -- transforma-se em gelo. 'Simples demais' Sean McMahon, responsável pelo projeto, diz que entre os pesquisadores o conceito de zona habitável (também chamado de Goldilocks Zone), aumenta a sensação de que essa teoria é simples demais.

"Tradicionalmente as pessoas dizem que se um planeta está nessa Goldilocks Zone -- nem tão quente nem tão frio -- pode conter água líquida em sua superfície e ser um planeta habitável", diz. McMahon lembra, no entanto, que um planeta é aquecido por duas fontes de calor -- calor direto da estrela (energia solar) e calor gerado nas profundezas do próprio planeta, chamado de calor interno.

Quanto mais longe um planeta está de seu sol, menos energia ele recebe e a água em sua superfície congela. Conforme a distância aumenta, a água subterrânea também começa a congelar. Mas se o planeta produzir calor interno suficiente, poderia ainda manter reservatórios profundos de água líquida capazes de sustentar a vida, não importa sua distância do sol.